Qual a cara do seu negócio?

Muita gente ainda tenta fazer marketing no Século XXI da mesma forma analógica que se fazia no século passado. O problema é que atualmente estima-se que somos expostos a cerca de 600-625 mensagens publicitárias todos os dias¹. Cerca de 40% delas são em mídias tradicionais: outdoors, panfletos, placas, banners, revistas, jornais, rádio e TV. Tudo bem, mas… E daí?

Acontece que com essa sobrecarga de exposição nosso cérebro aprendeu a ignorar tantos sinais. Automaticamente. Bom para a gente ir levando a vida mas… Para as empresas que precisam “botar a boca no trombone” para chamar a atenção, panfletos e folders se perdem na miríade de estímulos visuais a que somos submetidos diariamente. E trazem baixíssimo retorno. Quase ZERO.

Falar que o marketing hoje é digital e omnicanal é jogar lenha na fogueira do desespero de muitos empresários que se afligem com o pensamento “como vou fazer isso?!”. Além disso, Marketing Digital (inbound marketing) não é tão simples (exige aprendizado de ferramentas específicas), não é tão barato como muitos acreditam (só impulsionar alguns posts no Facebook de vez em quando não funciona) e é, sobretudo, TRABALHOSO. Fazer marketing digital é como fazer exercícios. Se não tiver disposição (para fazer esforço) e disciplina (para fazer sempre) não traz resultados.

O problema maior, no entanto, é que marketing nenhum pode fazer grande coisa para um negócio < ou profissional > sem identidade própria. Há um axioma fundamental em marketing que diz que “quem quiser ser tudo para todo mundo acaba não sendo nada para ninguém”. No Século XXI para fazer um bom marketing você precisa sobretudo ter uma IDENTIDADE.

Por identidade leia-se também ‘marca’. Ou ‘brand’ para ficar chique… Falar ‘brand’ ou ‘branding’ (construção da marca) fica bonito, mas confunde. Já que um conceito não compreendido é um conceito mal aplicado, vamos de ‘identidade’ mesmo.

Identidade < marca > é um conjunto de pequenas coisas que permitem que seu negócio seja entendido e, principalmente, RECONHECIDO pelo seu mercado local < para academias e estúdios ‘mercado local’ é o pessoal do bairro onde você está >.

Se sua identidade é clara, o ‘pessoal’ sabe o que você faz, para quem você faz, se ele quer fazer parte disso e quem é que ele vai encontrar < conexão social > se decidir estar lá com você. No final das contas isso tudo combinado gera um VALOR para o cliente que se traduz no PREÇO a ser cobrado dele.

Cada detalhe conta para construção da sua identidade: A limpeza das instalações, o uniforme dos funcionários, a disposição e organização dos equipamentos, o layout das dependências, conforto térmico e acústico, se tem wi-fi disponível, e uma longa lista de etcéteras, etc.

A maioria das academias e estúdios investe em propaganda com promoções de preços, planos e aulas sem ANTES construir uma identidade própria. E depois se espanta com as pessoas “sem noção” que chegam na recepção fazendo perguntas ou exigências descabidas…

A grande vantagem da identidade é justamente facilitar o processo de ESCOLHA do consumidor. Existe hoje um universo abundante de escolhas de consumo de qualquer coisa, desde pasta de dente até academia de ginástica. A mente humana agradece quanto não temos que processar muita informação para escolher algo². Logo, todas as vezes que uma empresa conseguir facilitar o processo de escolha no seu segmento ela se tornará a opção NATURAL do cliente.

Construir uma identidade é justamente isso: Tornar-se a escolha natural do cliente que você escolheu atender! Se você não se ocupar em construir sua identidade as pessoas ao seu redor farão isso por você, à sua revelia.

Construir uma identidade é um processo lento, trabalhoso e custoso. Mas, se quiser ser a melhor opção de escolha no seu mercado local, você não tem escolha. E só para ficar bem claro: ”Ser a melhor opção de escolha no seu mercado local” é ganhar dinheiro com sua academia.

E aí? Qual é a “cara” < identidade > do seu negócio?

 

 


 

1. “Our Rising Ad Dosage: It’s Not as Oppressive as Some Think”. Media Matters. February 15, 2007.
2. Daniel Kahneman. Rápido e devagar: Duas formas de pensar. Rio de Janeiro: Editora Objetiva, 2012.

 

2 comentários em “Qual a cara do seu negócio?

  1. Daniela Dornelas disse:

    Esse texto é expressivo dentro do momento que estamos vivendo. Nossos consumidores tem acesso a todas as informações, basta um click e ele pode definir em qual academia tem maior afinidade e diminuir as objeções na hora da compra. Mídias digitais com certeza não é fruto de sorte; é muito planejamento, estratégia e conhecimento. Parabéns pelo texto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *