Dia mundial de luta contra a Aids: “O exercício mexe muito com a disposição para a vida”

Entrevistamos com exclusividade o professor de educação física Alexandre Lazzarotto, mestre e doutor em Ciências do Movimento Humano pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, e autor do livro Recomendações para a Prática de Atividades Físicas para Pessoas Vivendo com HIV e AIDS

Yara Achôa, Fitness Brasil
1º/12/2021

Há 33 anos, a Assembleia Geral da ONU e a Organização Mundial de Saúde instituíram 1º de dezembro como o Dia Mundial de Luta contra a Aids. Em 1988, cinco anos após a descoberta do vírus causador da aids, o HIV, 65,7 mil pessoas já tinham sido diagnosticadas com o vírus, e 38 mil haviam morrido. Nos anos 1980, receber o diagnóstico da doença era como uma sentença de morte. Felizmente pesquisas e tratamentos evoluíram, levando a Aids a ser considerada uma doença tratável, como diabetes e hipertensão.

Mas assim como as novas drogas, o estilo de vida tem impacto profundo no dia a dia do paciente. A data de hoje é importante para lembrarmos das lutas até aqui e também para abrir horizontes para o futuro – tanto para portadores do vírus, como para a sociedade em geral. Para falar de um tema tão relevante, convidamos o professor de educação física Alexandre Lazzarotto, mestre e doutor em Ciências do Movimento Humano pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, que atua nas áreas de pesquisa em saúde, atividade física e saúde, epidemiologia e fisiopatologia das doenças crônicas e exercício físico, e um dos autores do livro Recomendações para a Prática de Atividades Físicas para Pessoas Vivendo com HIV e AIDS.

Confira a seguir os principais destaques do papo e a entrevista completa em nosso podcast no Spotify.

Por que o tema Aids chamou sua atenção e como você caminhou para estudos nessa área?

Desde o início da minha graduação me senti sensibilizado a investigar associação entre exercícios e doenças crônicas. Foi algo que me impactou. Verifiquei inicialmente que exercício poderia ser estratégia não medicamentosa de prevenção, de promoção a saúde, tratamento e reabilitação. Escolhi o tema para meu mestrado. Era um tema pouquíssimo estudado na época, 1996. Começamos a investigar. Tive a oportunidade de acompanhar centros de tratamento para pessoas com HIV/Aids e aprender sobre esse mundo. Depois do mestrado fiz doutorado e, mesmo após o termino, mantive um projeto na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, que atendia pessoas vivendo com HIV/Aids. Iniciamos em 2003 e seguimos até 2012. Nesse período houve uma mudança no paradigma da infecção pelo HIV.

Na década de 80 o exercício não era recomendado. Como os indivíduos tinham diminuição da resposta imune, não se sabia corretamente como o exercício ia atuar. Posteriormente em 1997, com a terapia antirretroviral combinada, houve um aumento da expectativa de vida e começou a se discutir de forma mais consistente a atuação do exercício. E hoje se sabe que essa é uma estratégia de promoção da saúde à pessoa vivendo com HIV/Aids e de tratamento de reabilitação extremamente consistente.

Como uma comparação entre passado e presente, a partir dos anos 1980, com os primeiros casos, as pessoas tinham a comunicação do diagnóstico como uma sentença de morte. A Aids não era uma doença tratável. Hoje sabemos que a Aids é uma doença tratável, como diabetes e hipertensão arterial sistêmica. Antes a expectativa de vida era de 5 a 13 meses, hoje a expectativa está condicionada ao uso da terapia antirretroviral e ao estilo de vida – daí entra o exercício.

Um programa de exercícios físicos pode ser utilizado como uma estratégia terapêutica não medicamentosa para amenizar ou retardar o desenvolvimento de algumas complicações?

Sim. É uma estratégia terapêutica não medicamentosa e de reabilitação. A partir de vários estudos robustos e pesquisas baseadas em evidências, o treinamento físico deve ser incorporado à rotina das pessoas vivendo com o HIV/Aids.

Quando começamos a trabalhar com pacientes com HIV/Aids chegamos a uma conclusão inicial de que eles seriam atendidos em programas específicos, como o que coordenei. Tínhamos, em algumas unidades de saúde, esse tipo de estratégia – o tratamento via exercício físico. Com passar dos anos, aprendemos que esse paciente pode frequentar uma academia, um centro de treinamento e pode ser atendido por profissionais como qualquer outro. E cabe a ele relatar ou não sua soropositividade. Se ele está acima do peso, se tem alteração do perfil lipídico, glicemia alterada, pode ser atendido por um colega na academia. O paciente não é obrigado a revelar sua condição sorológica – porque essa é uma decisão dele. Mas queremos descontruir a ideia de tratar pessoas com HIV/Aids como algo especial. Isso não é bom para ela nem para os profissionais da saúde.

Quais as atividades recomendadas para os portadores de HIV? Existe alguma contraindicação?

É indicado o treinamento combinado: aeróbico e treino de força. Uma sessão de 30 a 40 minutos já é suficiente para aumentar massa e força muscular, controlar perfil lipídico, melhorar composição corporal e condição cadiorrespiratória. A contraindicação é se o individuo não está clinicamente estável. E quem estabelece isso é o médico responsável pelo paciente.

E os benefícios da prática esportiva?

Há um impacto muito grande na qualidade de vida: melhora dos parâmetros antropométricos, diminuição de fatores bioquímicos, melhora de massa muscular, força e capacidade cardiorrespiratória. E mais: ganho de uma grande disposição para a vida. O exercício mexe muito com a disposição para a vida. Um indivíduo que frequenta uma academia, faz aulas, interage com outras pessoas, não se sente excluído, não se sente à margem. Tivemos um paciente bastante regrado, que melhorou todos os parâmetros. Um dia ele nos disse “me sinto tão bem, que quero voltar a estudar”. E se formou em Serviço Social.

A prática regular pode ajudar no aumento da imunidade?

A questão da imunidade não se resume só ao exercício físico. Prefiro trabalhar com uma margem de segurança. O exercício, mesmo quando bem orientado e executado, não interfere na resposta imunológica e na carga viral. Porque a imunidade não é só resultado disso. Outros fatores interferem, como o estado emocional. Posso ter um aluno disciplinado, que treina regularmente, mas é extremamente estressado. Aí ele tem um aumento de cortisol – e o cortisol pode ser imunossupressor.

Quais os principais cuidados que portadores do HIV devem ter na prática esportiva? E os profissionais e a academia que o recebem?

Para treinar, ele tem de estar clinicamente estável, sendo acompanhado por um médico e seguindo a terapia antirretroviral. Já os cuidados dos professores de educação física e das academias devem ser os mesmos que se têm com pacientes de qualquer outra doença. O HIV é transmitido apenas por quatros meios: leite materno, sangue, esperma e secreção vaginal. Ninguém se infecta com HIV com um abraço ou usando um aparelho na academia.

Estudando a fisiopatologia da infecção, sabemos como se transmite e não se transmite o vírus. Por isso, nossa preocupação é fomentar a formação dos profissionais de educação física para atuar no contexto da doença. A preocupação não é o paciente chegando na academia, mas existir ali um profissional de educação física capacitado para atendê-lo. Temos de olhar a matriz curricular. Como se desenvolve o HIV/Aids? Como pega e não pega? Qual o efeito adverso do tratamento? Essas questões devem fazer parte da formação dos profissionais, assim como falamos de diabetes e doença cardiovascular. O paciente também tem de perceber no profissional alguém que sabe sobre a doença. É preciso investir em formação continuada – mestrados profissionais e acadêmicos, cursos de especialização que estudem a fundo exercício e doença.

Onde buscar informação e atualização?

Na minha prática diária costumo consultar boas bases de dados científicos, como SciELO e PubMed. Tenho entre meus favoritos no smartphone, tablet, computador e leio semanalmente o que está sendo falado de HIV. Existe também um material desenvolvido em 2012 pelo Ministério da Saúde. Levamos dois anos produzindo esse conteúdo, partindo da explicação do que é HIV aids até como montar uma academia. Mas está na hora de atualizar esse material. Para os colegas que queiram entrar em contato comigo, também estou à disposição pelo LinkedIn Alexandre Lazzarotto e pelo e-mail alazzar@terra.com.br.

Qual a importância do Dia Mundial de Luta contra a Aids?

É uma data importante para falarmos contra a discriminação e o preconceito e a favor de pessoas com HIV/Aids, do empenho para serem atendidas por profissionais de todas as áreas. É uma data para se lamentar as perdas, mas também para celebrar a vida das pessoas que estão trabalhando, que são produtivas com HIV/Aids. Aids não é mais sentença de morte, é uma doença tratável. É dia de conscientizar também a sociedade, para que se acolha essas pessoas da melhor forma possível. É preciso viver cada dia da melhor forma possível e não acreditar que a vida é condicionada a um CD4 ou uma carga viral. A vida é muito maior do que isso.

Ouça a entrevista completa com o professor de educação física Alexandre Lazzarotto, mestre e doutor em Ciências do Movimento Humano pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, em:

Gostou? Compartilhe:

Martha Gabriel

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Morbi congue dolor quis elit imperdiet eleifend. Pellentesque habitant morbi tristique senectus et netus et malesuada fames ac turpis egestas. Nullam at quam mi. Quisque a consequat dolor. Maecenas ac molestie quam, et gravida ante. Pellentesque quis dui rhoncus, maximus justo in, viverra mi. Donec congue orci in ornare tristique. Praesent ut dapibus metus. Duis rhoncus urna non massa rutrum, quis blandit felis mattis. Curabitur in metus et tortor euismod pharetra.