CDC inclui a inatividade física como fator de risco para formas graves de Covid-19

Pessoas que fazem pouca ou nenhuma atividade física têm mais chances de adoecerem do que as que são fisicamente ativas

Yara Achôa, Fitness Brasil
24/3/2022

O Comitê Editorial do Manifesto Internacional para a Promoção da Atividade Física no Pós-Covid compartilhou que o Centro de Controle e Prevenção de Doenças do Estados Unidos (CDC), que é uma das instituições líderes no mundo na definição de recomendações e protocolos de condutas no contexto da pandemia de Covid-19, decidiu, recentemente, incluir a inatividade física como um dos fatores de alto risco para formas mais graves de Covid-19. Ou seja, fatores que aumentam o risco de necessidade de hospitalização, de UTI, de uso de ventilação mecânica e/ou de morte.

O CDC concluiu que já existem evidências científicas suficientes demonstrando que pessoas que fazem pouca ou nenhuma atividade física (ou exercício físico) tem mais chances de ficarem muito doentes por Covid-19 que aquelas que são fisicamente ativas. Ser fisicamente ativo (ou se exercitar regularmente) é importante para ser saudável.

Todo movimento conta

As evidências científicas são fortes o suficiente para incluir a insuficiência de atividade física no rol de condições que aumentam o risco de formas graves de Covid-19, ao lado de outras como câncer, diabetes, obesidade, algumas doenças pulmonares, insuficiência renal crônica, tabagismo, infecção por HIV, entre outras. É importante destacar que a promoção da atividade física, apesar de complexa e multifatorial, pode ser alcançada com ações conjuntas, individuais e coletivas, e com a implementação e fortalecimento de políticas públicas que favorecem o desenvolvimento de uma população mais ativa, solidária e saudável. O Comitê aproveita para lembrar que, quando o foco é a saúde, todo passo conta.

Uma boa maneira de entender como ser mais ativo, é consultar o Guia de Atividade Física para a População Brasileira.

A nota tem o objetivo de dar ampla divulgação à informação, frente à importância da atividade física e a necessidade de um reforço na Chamada para a Ação de pessoas, entidades públicas/privadas e governamentais, com vistas à redução da inatividade física. Se já eram fortes as evidências científicas dos benefícios de uma vida mais ativa para promover a saúde e prevenir um grande número de doenças crônicas não-transmissíveis, agora a urgência da ação aumenta frente a esse benefício que impacta as recomendações para o melhor manejo de uma pandemia sem precedentes.

O momento sanitário atual se caracteriza por melhor controle da pandemia de Covid-19, com menores taxas de transmissão, decorrente dos benefícios da ampla vacinação e outras ações preventivas, como o uso de máscaras e a limpeza das mãos. A pandemia ainda não acabou, mas felizmente a maioria das atividades da vida cotidiana já está autorizada pelas autoridades locais em razão dos melhores indicadores.

Este é um momento propício para a ampla divulgação dessas informações, tanto para a população quanto para os profissionais de saúde. Já passamos da hora de transformar as evidências científicas sobre os benefícios da atividade física regular para a saúde em AÇÃO.  

Assinam a nota de esclarecimento o coletivo de autores vinculados ao Manifesto Internacional para a Promoção da Atividade Física no Pós-Covid, coordenado pelo Centro de Estudos do Laboratório de Aptidão Física de São Caetano do Sul (CELAFISCS): Antonio Carlos Bramante; Dartagnan Pinto Guedes; Douglas Roque Andrade; Francisco José Gondim Pitanga; Laércio Elias Pereira; Lamartine Pereira DaCosta; Luis Carlos de Oliveira; Luiz Guilherme Grossi Porto; Maria Beatriz Rocha Ferreira; Markus Vinicius Nahas; Maurício Santos; Victor Keihan Rodrigues Matsudo.

As informações originais podem ser consultadas no site do CDC.

Gostou? Compartilhe:

Martha Gabriel

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Morbi congue dolor quis elit imperdiet eleifend. Pellentesque habitant morbi tristique senectus et netus et malesuada fames ac turpis egestas. Nullam at quam mi. Quisque a consequat dolor. Maecenas ac molestie quam, et gravida ante. Pellentesque quis dui rhoncus, maximus justo in, viverra mi. Donec congue orci in ornare tristique. Praesent ut dapibus metus. Duis rhoncus urna non massa rutrum, quis blandit felis mattis. Curabitur in metus et tortor euismod pharetra.