Derrubando o paradoxo do comportamento sedentário e atividade física

Por Aylton Figueira Junior, colunista Fitness Brasil

Atualmente mais de 70% dos brasileiros não atinge o nível mínimo de atividade física e exercícios. Claro que essa preocupação é somente a ponta do iceberg, pois o contexto dos agravos associados aumentará.

O que queremos refletir não é o baixo nível de atividade, mas o que acontece com pessoas que praticam exercícios regularmente, só que permanecem muitas horas em comportamento sedentário. Isso é comum.

Pode parecer um paradoxo, pois a pessoa que faz exercícios físicos regulares é classificada como suficientemente ativa e apresenta benefícios cardiovasculares, imunológicos, musculares, metabólicos, dentre outros. Entretanto a real condição não é essa. Mesmo pessoas fisicamente ativas, que permanecem em comportamento sedentário podem reduzir os benefícios.

No estudo de Ekelund, U; et al, The Lancet, 2016 (Does Physical Activity Attenuate, or even eliminate, the detrimental association of sitting time with mortality? A hormonised meta-analysis of data from more than 1 million men and women) foram correlacionados dois fatores: o tempo sentado diariamente e o consumo de oxigênio semanal, determinados pelo total de METS. As horas sentadas por dia ficaram em 2-4 horas; 4-6 horas; 6-8 horas e > 8 horas dias. O total de exercícios em quatro categorias: 1- 375 minutos/ semana (6h25min/ semana); 2-300 minutos/ semana (5 horas por semana); 3- 150 minutos/ semana (3 horas por semana); 4- 25 minutos por semana.

Os resultados mostram que:

>> as pessoas que somam 6 horas/ semana, em atividades físicas, mas permanecem mais de 8 horas sentadas, aumentam em 5% a chance de morte por qualquer causa.

>> as pessoas que somam 5 horas/ semana, mas ficam mais de 8 horas sentadas por dia, aumentam em 12% a chance de mortalidade.

>> quem acumula 150 minutos/ semana, mas somam mais de 8 horas sentados por dia, a chance de maior mortalidade ultrapassa 30%.

>> e a pior condição está nas pessoas que ficam mais de 8 horas sentadas e acumulam somente 25 minutos/ semana de exercício. Neste grupo a chance de maior mortalidade é maior que 65%

Esses dados sugerem que os profissionais de educação física precisam orientar seus alunos a reduzirem o tempo sentado, mesmo os mais ativos.

Os dados intermediários, entre 300 e 150 minutos acumulados de movimento por semana, nas pessoas que permanecem mais de 8 horas sentadas, estão entre 10-25% de chance de aumento em qualquer causa de morte.

Como os resultados refletem mais de 1 milhão de pessoas analisadas, poderíamos considerar que esta evidência sugere o importante papel educacional do profissional de educação física no âmbito da mudança do comportamento dos alunos.

Essa afirmação se associa ao fato de 69% das pessoas iniciarem a prática regular de exercício e desistirem em menos de seis meses. O que fazer então? Mesmo as pessoas que iniciam o programa de exercício já deveriam ser informadas da importância do comportamento sedentário, pois assim já se inicia a construção de um novo modelo de intervenção profissional.

Para os praticantes mais experientes, fica claro o que é o PARADOXO DA ATIVIDADE FISICA? O paradoxo representa pessoas fisicamente ativas, mas que permanecem muito tempo sentado. A redução da mortalidade se dará pela combinação: exercício + estilo de vida fisicamente ativo.

Precisamos construir a vida com mais movimento.

Sucesso sempre!

Aylton Figueira Junior: formado em Educação Física, mestre e doutor em Adaptação Humana, saúde e atividade física pela UNICAMP, docente do Programa de Mestrado e Doutorado em Educação Física da Universidade São Judas Tadeu. Membro do American College of Sports Medicine e Japan Society of Exercise Fisiology. Autor de oito livros, 24 capítulos e mais de 400 artigos científicos. Criador da certificação PROFISSIONAL DO FUTURO. Sócio proprietário da Clínica Ostheos-Equilibrio Físico. Instagram @ayltonfigueira.dr

Gostou? Compartilhe:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Martha Gabriel

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Morbi congue dolor quis elit imperdiet eleifend. Pellentesque habitant morbi tristique senectus et netus et malesuada fames ac turpis egestas. Nullam at quam mi. Quisque a consequat dolor. Maecenas ac molestie quam, et gravida ante. Pellentesque quis dui rhoncus, maximus justo in, viverra mi. Donec congue orci in ornare tristique. Praesent ut dapibus metus. Duis rhoncus urna non massa rutrum, quis blandit felis mattis. Curabitur in metus et tortor euismod pharetra.